Você me chamou numa noite e até hoje, simplesmente ficou, me ajudou inúmeras vezes, teve muita paciência, me escutou, me fez rir como nenhuma outra pessoa jamais fez, me fez cantar, ficou do meu lado, etc. Lucas, você está fazendo aniversário e quem está ganhando presente sou eu, todos os dias. Sua amizade, sua força, sua energia são incomparáveis, pequeno. Primeiramente obrigada e por fim, meus parabéns!! 22 anos, para uma velha alma com 85, como se sente? Velho, imagino, mas.. brincadeiras a parte, que você consiga tudo o que almeja na sua vida, que consiga realizar todos os seus sonhos, que realize todas as suas metas para este ano, continue sendo desse mesmo jeitinho sempre, que tenha muitos anos de vida, e que sua vida seja a mais plena felicidade. Você merece apenas o melhor. Eu não estou no Rio, mas.. se eu tivesse você seria muito abraçado, muito beijado, muito apertado nas bochechas, então.. sinta-se abraçado, beijado e apertado rsrsrs! 

Eu não esperava que se tornasse alguém tão importante a ponto de sentir por sua ausência, sentir falta, querer estar sempre perto, conversando, escutando, do lado.. eu não esperava inúmeras coisas, mas me faz bem, e se te faz bem também, eu fico contente. Eu só espero que tenha um excelente dia, em casa, no trabalho, onde você estiver, coracão. E... não vamos esquecer do seu beijo na sobrancelha, isso é muito importante!!!  Ps: Te amo de paixão <3

Não era assim. Não era assim que tudo tinha que ter acontecido. Eu tentei, foi o que mais fiz, dei chances, pedoei feitos, esqueci coisas, me acostumei com outras, eu fui mudando para o que eu não deveria ser. Muitos estão longe de mim, em outros eu tento buscar saídas, companhia ou um pouco que seja de atenção. Não era para eu ter me acostumado com tais coisas que hoje me pertubam todos os dias. Não quero colocar em cima de outras pessoas fardos que eu mesma tenho que dar fim, que tenho que lidar, sozinha. Não quero confundir as coisas, ninguém no lugar de ninguém, sentimentos mal entendidos, palavras vagas e vazias, tudo tem que voltar ao que era antes, quando eu sabia o que sentia, quando eu sabia o que queria, quando eu sabia onde estava. O que eu sinto? O que é bom pra mim? O que devo deixar pra trás? O que eu devo fazer para que este nó pare de apertar? Devo tentar novamente? Não quero magoar ninguém, não quero usar e nem vou usar alguém, eu tentei... eu tentei... e eu acho que não é mais comigo, vou deixar as coisas acontecerem, pelo menos por um tempo, nunca me senti assim. Espero que tudo dê certo. 

27/12/2015

Um passo, outro passo, areia macia, o vendo batia suavemente em sua face. Sentou-se, aproximou o celular do ouvido. 

--  ... pode vir? Obrigada.  - Ela arfou para pessoa do outro lado da linha. 

Com seu olhar fixado ao mar, nem notou a pessoa chegar, ele se sentou ao lado, um pouco atrás dela e ficou calado, apenas olhando-a. Quando ela enfim o fitou, abriu um sorriso de gratidão e algum outro sentimento confuso que nem ela mesma entendia, ou apenas não queria aceitar. 

-- Obri... - Antes que ela pudesse novamente agradecer, ele a interrompeu. 

-- Para... para de agradecer e de pedir desculpas... está tudo bem...  - Patrick olhou para o horizonte e sugeriu.  -- Vamos dar uma volta? Se quiser, um mergulho...  - ele percebeu que ela observava vagorosamente seu olho esquedo, ainda num roxo claro e suspirou com a culpa que sentiu.  -- Não foi culpa sua!  

-- Posso? - Ela perguntou, e mesmo sem resposta, passou suavemente seus dedos no olho ainda inchado, ele fechou os olhos, dando liberdade a ela. -- Ainda dói?  - Melany ainda com seus dedos gentis em sua face. 

-- Não, não se preocupe com isso. Eu sou durão! - Ele riu, conseguindo tirar um sorriso fraco dela. Mel desceu sua mão. -- Vai apostar uma corrida comigo até o mar ou vai ficar parada tendo pena de mim? - Se levantaram, ambos rindo, saindo em disparada até o mar, um empurrando o outro, parecendo duas crianças de 5 anos. Ambos chegaram a água juntos, ofegantes, um ''batendo''no outro, dizendo um ao outro que tinha trapaceado. Molharam seus pés e sentaram para tomar fôlego. -- Está parecendo uma velha... - Ao falar isso, Patrick respirava com dificuldade. 

-- Eu? Minha respiração está bem regular, obrigada. - Ambos sabiam que Mel estava mentindo, seu coração batia forte demais. Ela se deitou, olhando para o céu, e todas as lembranças voltaram novamente, seu rosto enrijecendo. Ele logo percebeu, deitou ao seu lado, virado para ela, fazendo em seguida ela tambem olhar para seu rosto. -- O que foi? 

-- Você me chamou, eu vim... eu simplesmente não gosto de te ver assim. - Ela se sentou e ele fez o mesmo e continuou.  -- Esquece tudo, eu já esqueci, não foi sua culpa, só dele... e quer saber de uma coisa? Foi ele que perdeu! Você não é assim... eu sei, eu sinto. Você é palhaça, brincalhona, me faz rir toda hora, extrovertida, inteligente e vai conseguir seguir em frente. Olha pra mim...  - ela não olhou, Patrick pegou gentimente seu rosto, seus olhos em ondas por causa de suas lágrimas, como as do mar que os assistia. Melany sabia que ele tinha razão e seu coração ainda martelava forte. E, não era por causa da corrida mais, era outra coisa. O jeito que ele segurava seu rosto, que a olhava, tudo estava confuso em sua cabeça. -- Mel...   - Beijou na testa de Melany demoradamente e a abraçou forte. Era disso que ela estava precisando. O abraço durou incontáveis minutos, mas ele não se importava, ele gostava, quanto mais o tempo passava, ele a apertava mais forte. Quando enfim se separaram ela sorriu para ele e o mesmo retribuiu. Estava ficando tarde, então se encaminharam para casa. Sentaram nas últimas cadeiras do ônibus e ele pôs os braços ao seu redor e não ouviu questionamentos sobre isso. Com a cabeça em seu peito, eles conversaram o caminho inteiro sobre coisas aleatórias. 80% do caminho de volta, ela falava mais do que ele, ele viu como um bom sinal, esquecia um pouco os problemas. No lado de fora, começava a chover. -- Tempo estranho... acho que vamos tomar um banho!  - ele disse rindo e ela mostrou os dentes apreeensiva. -- Se você me levar nas costas, não irá chover em você, que tal? - Mel batia nele a cada piada ruim que era feita, é claro, de brincadeira. E as crianças de 5 anos apareciam mais uma vez, dando gargalhadas, até ele segurar seus braços e a encarar de frente, seus rostos agora, um a poucos centímetros do outro. Fecharam os olhos, os braços dela cairam, os dele agora em seu rosto. Patrick a beijou lentamente como se não tivesse mais nada ao seu redor. 

06/11/2015

Por um fio. Acho que posso começar assim. Ligo a televisão e penso nessa frase, simples, porém temerosa. O que vejo nos jornais, qualquer rede de comunicação, até mesmo nas ruas. Fragmentações do fim, simples ou complexas, diretas ou indiretas, levando ao mesmo caminho hodiondo. Em meio a tantas desventuras, vemos clarões de esperança que vem e vão, como o sol todos os dias que aparece, mas a noite se esconde, ocultando a luz que nossos olhos quase não enxergam mais. O que esperar de um futuro, o que deixar para nossos filhos, netos, para os que um dia irão pisar neste mesmo solo, o que dizer a eles, o que esperar de suas posições diante de tudo isso? Um dia desses, prestei atenção numa reportagem que me deixou e tenho certeza que muitas pessoas sentiram o que eu senti, o que eu sempre sinto ao ver uma coisa assim... refugiados, em seus rostos havia apenas pânico, caminhavam não sei quantos quilometros para chegar a algum destino incerto, bolhas em seus pés, a fome reinava, crianças pequenas que mal entendiam o que estava havendo e lágrimas caiam, enquanto meu coração também despedaçava. Paro e penso: ''Deus, o que está acontecendo, ajude-os, nos ajude.'' Vejo notícias toda semana de animais morrendo por falta de respeito, educação e falta de vergonha do homem, que jogam lixo em qualquer lugar que estejam. Se eu encontrar outra reportagem dizendo que mais uma tartaruga marinha morreu, eu juro que surto! Cometemos muitos erros, mas não aprendemos com eles, e tudo está por um fio. Vamos acordar, dar o nosso melhor e modificar nossa situação. Não vamos destruir o único fio que nos conecta a um país, um mundo melhor.  

28/10/2015

Abriu os olhos, respirou bem fundo, levantou de sua cama, se alongou. Para isso, teve que movimentar todas as partes de seu corpo. Pensando, pela primeira vez que, nunca tinha parado para dar a devida importância para o que enxergava agora. Acordou mais um dia, respirou, ficou de pé, será que alguém dá importãncia para simples gestos que realizamos todo dia?, pensou ele. Ao simples ato de ficar de pé, pegar um copo ou comer. Observar o céu, as estrelas, o sol, a lua, as outras pessoas. Ter voz para falar, se comunicar com as pessoas, cantar ou até mesmo gritar. A sensibilidade de sentir o vento contra sua face, sentir os sentimentos malucos que têm hoje em dia, poder sentir o odor de inúmeros aromas. Nossa, que viajem. Temos que valorizar cada segundo de nossas vidas, as pessoas que nos cercam e agradecer por tudo o que temos. Amanhã pode ser tarde demais. Um dia, um recomeço. 

13/09/2015

Aquela figura em minha frente, olhos tão longínquos que eu poderia jurar que eles enxergavam atravez de minha alma. Sorriso estampado, deu um passo a frente, ficando a pouco centímetros de mim. Fixava meu olhar, observava cada gesto, cada passo, cada movimento. Seus dedos percorriam um de meus braços, eu respirava ritmadamente, sem perder cada detalhe. Seus lábios percorreram minha testa, um beijo, um selo. Braços me envolveram com uma força, que pensei que iria me dividir em pedaços de tão forte e caloroso. Para aquilo estar acontecendo tinha ocorrido um grande sacrifício e cada segundo que durasse era de fato imperdível e inesquecível para ambos. Em seguida, ouvimos barulho de explosões ao céu noturno. Luzes irradiavam o chão do quarto, fazendo com que nós dois virássemos para janela. Esbanjei um sorriso que ele não parava de admirar. E, enquanto eu ficava deslumbrada com as luzes no céu, ele olhava no fundo dos meus olhos, com a esperança de que aquilo nunca acabasse. 

12/09/2015

Liberdade. Gostaria de sentir essa sensação que remete a esse nome. Que faz nos sentir vivos e que podemos fazer qualquer coisa. Não conheço esse sentimento, desconheço esse nome. Gostaria, mesmo sozinha, não precisava de ninguém ao meu lado, ir a praia.. sentir o vendo bater no meu rosto, respirar fundo, sentir meus pés na areia, ver o céu, ver o mar..  Ah, o mar! Sinto saudades. Poderia correr a praia inteira, não iria ligar se eu chegasse lá toda quebrada e possivelmente no outro dia..  é, exagerei um pouco. Anseio sentir… anseio viver, quem sabe o que pode acontecer amanhã? Mas, parece que estou presa, em meio de responsabilidades, de uma certa “proteção maternal”..  não estou reclamando disso, mas eu sei o que é certo e errado. Estou com medo do que vem pela frente agora, esse ano vai ser o mais.. vejamos, rápido. Muita correria, muito aprendizado, e muitos pensamentos para o futuro, muito planejamento. Estou nervosa e não sei o por quê..  acho que de chegar na escola novamente, pelo fato de ser o último ano..  acho que é mais porque vou ver pessoas que nunca mais vi, e pessoas que eu não precisava mais ver. Voltando para o termo “Liberdade”..  eu preciso sentir um pouco disso antes de regressar novamente a escola, antes da correria começar, antes que isso tudo termine. Meu coração está meio atormentado, eu tenho que descobrir o por quê disso, tenho que sair um pouco, distrair a mente, conhecer novas pessoas.. e além disso tudo, esquecer mais o passado e começar a viver o presente e não ter mais tanto medo assim do futuro.  Esse é mais um dos conselhos que dou a mim mesma, mas sou cabeça dura. Ás vezes esqueço de mim. E isso..  não pode mais acontecer. E não vai! 

2 anos atrásDepois de dois anos, ler o que escrevi, não sei se rio ou choro, mas é um sentimento bom, acho que é por isso que escrevo. 

Um momento diferente, talvez descrevê-lo possa ser uma coisa difícil de fazer. Olhar para frente se tornou inevitavelmente indiferente e eu tinha medo de pensar assim, no entanto, é o que eu estou fazendo agora. O amanhecer chega e eu continuo dormindo, antigamente acordava junto com ele para admirar seu brilho e esplendor. Ainda bem que quando a noite cai ainda faço companhia a lua, que as vezes, parece ser a única a me entender. Letras, amanhecer, natureza, coisas simples e significativas para mim, deixei de lado. Nunca mais peguei no meu violão, eu adorava desafinar. Fecho os olhos, sinto a indiferença percorrer pelo meu corpo e a deixo ir embora aos poucos pelas lágrimas, sorrisos, suspiros… vida. O que eu quero é aquela ingenuidade de antes, quero brincar de esconde-esconde, quero tirar fotos das flores, quero ver o pôr-do-sol e agradecer pelo momento, correr atrás de uma bola, brigar com alguém só de brincadeira, quero rir até a barriga doer, quero ler por horas, quero tomar um longo banho de chuva, mas essas lembranças me cercam, o passado está vivo e eu não consigo enterrá-lo de vez. Agora sinto o ar fresco sobre o meu rosto, aguardo os segundos, minutos se passarem, hoje não tem chuva, hoje é só calmaria. Pela janela entra um vento fresco, suave e vivaz, dou olá para aquela velha dor de cabeça. Escrever, mesmo sem saber o que deveria escrever, não tem sentido escrever e não fazer nada. Não estou triste, apenas apreensiva, tudo isso vai passar. Eu sinto. Apreensiva porque meu coração sempre quer retroceder em vez de seguir em frente, mas sempre tem a mesma finalidade, quebrar, partir, doer. Não, repito, não estou triste, só sinto falta. Fotografias, palavras, dores passadas, até das dores passadas eu sinto falta. Como alguém pode sentir falta de uma dor? Simplesmente, tenho que me encontrar novamente, me achar, eu fiquei lá atrás. Sou a mesma pessoa, mas minha alma ficou esperando por algo que nunca vai chegar e ainda hoje eu tento decifrar o que seja. Sorrio, cruzo as pernas, olho para as minhas mãos, eu sou a pessoa que eu quero ser? Do que eu realmente preciso para me sentir inteira? Penso na “mulecona” que eu era ontem e a mulher, a pessoa que eu me tornei hoje, mais madura, menos esperançosa, e… que saudade daquela menina que queria o mundo e não tinha medo de nada. Por favor, não continue a cometer o mesmo erro menina, sempre acredite que o amanhã será sempre mais florido. Como diz um de seus escritores favoritos: “Não é por quê o céu está nublado, que as estrelas morreram.”

Um ano atrás

As pessoas que menos esperamos podem nos surpreender, como também nos magoar, presumo que este pensamento seja verdadeiro. Uma pessoa pode entrar do nada em sua vida e te erguer, tirar sorrisos e te mostrar caminhos nunca vistos antes. Te faz abrir a mente, a flexiona a pensar que podemos ser tudo, podemos realizar tudo. Que no meio de uma tempestade, pega seu braço e te leva, tira você da escuridão e do frio, te agasalha e tira gargalhadas suas, nunca escutadas antes. Tem pessoas que te escutam, que protegem, que faz de tudo para que o nosso dia seja completo. Você tem pessoas assim ao seu redor? Hoje, eu acordei com uma menina de cabelos castanhos claros cantando em cima de mim, literalmente, ela cantava, ela me abraçava, ela ria, ela me inspirava. Acordei rindo e pra confessar, comecei a cantar com ela. Acordei com ''Bom dia'' de alguns amigos que fazem de tudo para que eu realmente tenha isso. Não sei explicar em palavras todo esse afeto, recíproco, delicado e, ás vezes, inesperado. Ontem a noite, uma pessoa me disse o que eu sempre esperei ler ou ouvir. ''Eu estou com você'', será que há afirmação mais graciosa do que esta? Estar do lado de alguém, não é só com palavras. e sim com atos. É fazer, é estar, é ser você mesmo para aquela pessoa. É estar disposto a enfrentar seus problemas e ela o seus. É enfrentar problemas e não correr deles. E acima de tudo, valorizar a pessoa, com pequenos atos, todos os dias. 

11/09/2015

Nem a distância pode nos separar.

Aquela foi a noite mais conturbada a semanas. Ouvia-se pequenas gotícolas na calha e longos suspiros pela casa. Era legal ter pessoas para compartilhar meus pensamentos e anseios, nunca gostei de me sentir sozinha. Em minha face também caíam lágrimas desoladas e perdidas. Às vezes, não conseguimos sozinhos, temos que ter algum suporte, que possa nos estender a mão, nos segurar e jogar pra cima. E, como eu tenho sorte de tê-los. Queria poder dizer que foi apenas mais um drama, que está tudo resolvido, mas algo dentro de mim, lá no fundo, diz que eu preciso de mais. Ontem, ao entardecer, deitei em minha cama e comecei a ver um filme que me cativou bastante e me mostrou uma grande verdade, uma das verdades da vida. Quem não dá valor, um dia perde. Fiquei pensando nisso o restante da noite, se eu estava dando o devido valor as pessoas que me cercam, se elas estavam fazendo isso ser recíproco. Foi bom parar para pensar um pouco sobre isso, pois hoje temos uma coisa, uma pessoa, que amamos muito, amanhã podemos não tê-la mais, por mero orgulho ou capricho. Tirando todo o meu sentimentalismo, pensei com a razão, tentando encontrar alguma maneira de talvez reparar as coisas que fiz, pois tenho cobrado muito atenção de uma pessoa importante pra mim. Isso não me agrada, cobrar atenção, cobrar carinho, cobrar sorrisos... isso tem que vir de dentro, tem que vir da pessoa e com sua vontade de fazê-lo. Eu errei, admito. De agora em diante, que os sentimentos, os atos, venham quando tiverem que vir, na sua hora certa, sem pressão. Quando se ama, cuida, sem pedir, se precisar brigar, sem precisar gritar por eles... a pessoa só ama. O mesmo com a amizade, ela nasce do nada e vai crescendo a medida que você cuida dela, a rega que nem uma flor, esperando por fim que ela nunca morra. 

10/09/2015

Olhando para o horizonte, fixo meu pensando em ti, nada mais me importa se você não estiver aqui. Você veio como uma brisa tranquila, mexeu comigo no momento que senti. Logo tudo mudou, uma simples brisa se tornou mais forte, bagunçou a minha mente de uma forma muito boa. Pude ver que a minha existência só teria sentido se eu estivesse com você. Me sinto renovado, me sinto forte para contnuar. Ao teu lado, tenho certeza que é o meu lugar. 

10/09/2015  -  Autor: Davison Santanna 

Em sua cabeça, martelavam dúvidas que não podem ser deixadas de lado em hipótese alguma. Ao longo de nossas vidas, teremos variadas escolhas, variados caminhos a escolher, a enfrentar, mas nem sempre vão ser fáceis de serem feitas, como que roupa usar, que sapato calçar ou até mesmo que rua pegar. Vão aparecer ocasiões que essas escolhas simplesmente modificarão por completo nossas prioridades, nossas concepções e conceitos. Ela constatou isso um pouco tarde, mas aprendeu com vigor. Enquanto observava o dia passar, os galhos das árvores serem empurrados pelo vendo, o sol escaldante tocar em sua pele, ela identificava o quanto tinha mudado ao passar dos anos, as escolhas que fez, e em como estava ainda mais centrada no que queria para sua vida. Ter uma casa de cerca branca, constituir uma família, era primordial, mas tinha mais. Seu sonho era ser bióloga marinha ou astrobióloga, seria pedir demais nos tempos de hoje? A mesma também se perguntava como estaria daqui a cinco ou seis anos, se conseguiria alguma coisa que almejava. Além de recordar o que tinha feito esse ano, do que se orgulhava, do que não tinha que ter feito, e até mesmo do que teria que mudar em si. Rigososa consigo mesma, como sempre havia sido, ela via os simples detalhes que ninguém mais via e se tivesse feito algo que não a agradace, que fizesse algum mal a alguma pessoa, ela mudava. Não sei se isso é uma qualidade ou defeito, mas assim ela seguia a vida. Nos tempos em que vive, é difícil sonhar, buscar e algumas vezes até sorrir. Um dia de cada vez ela ia levando, com a esperança de que tudo iria melhorar, não só para ela, mas, para todos. Mais um dia para agradecer, pois ela acordou, ela respirou e ela sorriu, mesmo com o mundo entrando talvez em um declíneo. 

09/09/2015

Quando se passa praticamente onze meses sem escrever nada e ainda por cima na situação que estou, é complexo idealizar como eu poderia começar um texto. Desajeitadamente vou organizando as palavras e recomeçando o que eu nunca tinha que ter deixado para trás. Eu sinto as palavras, não as posso ignorar mais. Hoje, faz exatamente quatro meses e seis dias que estou longe de quem mais amo, essa é a situação que citei anteriormente. Distância. Ao acordar hoje as cinco da manhã, não consegui mais ''pregar'' os olhos, sabendo que ainda falta quase dois meses para ver aquele sorriso novamente. Madrugada pesada, insônia aguçada e anseios me tomando por completo. Alguns dos meus pensamentos deste dia, foi em questão de crescimento e maturidade. Presumo que esteja mais que na hora de crescer por completo. Deixar minhas brincadeiras e medos equivocados, deixar um pouco mais essa ''criança'' de lado e olhar de um outro ângulo, mais para o lado da realidade que me cerca. Acho que deixei o real, criei expectativas de talvez um falso bem... nem tudo é bom e nem todas as pessoas são boas, parar de ser tão ingênua. Às vezes, temos que mudar de percepção para enxergar as coisas com clareza. Vou aprendendo com o tempo, não é assim? A noite caiu como todas as outras, trazendo lembranças, mas lembranças boas de um passado que irei repetir em breve. Aquele toque, aquele olhar, aquele cheiro e beijo. ´Chega a ser sufocante a espera, porém a cada final de dia agradeço, pois sei que está cada vez mais perto de vê-lo. 

08/09/2015

''Novas folhas, novas flores, na infinita benção do recomeço.''

Chico Xavier

Um dia, vai sentir isso por alguém, espero que seja logo. Quando falo que quero sua felicidade mesmo que custe a minha, não estou brincando. Daria tudo para ver seu coração se libertar desse seu medo de amar. Pode falar que é mentira minha, maluquice, dizer que não estou pensando direito, me chamar de burra, de qualquer coisa, mas não é, eu só sinto. O que eu sinto me faz pensar muito além de mim e me faz bem pensar que quando encontrar a pessoa certa que irá te libertar, que vai colocar um sorriso verdadeiro no seu rosto, que vai te mostrar que a vida é mais do que os seus olhos podem ver, esse com certeza irá ser um dos melhores dias da minha vida. Acredite. Talvez, às vezes, encontramos a felicidade assim nessas pequenas coisas, mesmo que estas não sejam ideais para gente, que esta não seja suficiente, mas que mesmo assim te tira um sorriso bobo e faz você suspirar. Então, espero que a pessoa que encontrar faça você o menino mais especial do mundo, que receba-o sempre com braços abertos e um sorriso radiante no rosto, que esteja com você, não só nos momento bons, mas também nos momento mais difíceis da sua vida. Que ela não se importe de te ouvir, aconselhar, ajudar de alguma forma e que a finalidade dos atos dela sejam para te fazer feliz. Que ela corra atrás dos sonhos dela, mas também lhe ajude a conquistar os seus, que ela seja a mãe mais carinhosa para que possa transmitir para os filhos que irão ter no futuro, que ela te compreenda quando desmarcar algum compromisso, que ela entenda que irá fazer isso simplesmente porque quer o conforto de sua família, o que vai ser sua prioridade mais a frente. Que quando você chegar do trabalho, ela tenha muita paciência com seu humor e seu cansaço, ambos vão precisar na verdade. A vida não é fácil e vão ter que enfrentar (juntos, espero), todos os desafios que aparecerem em suas vidas. Que… você tenha a oportunidade de ver seus netos nascerem, ver o sorriso sapeca em seus rostos, correr até você e te chamarem de… vovô? Vou parar por aqui, acho que já deu para perceber o que sinto e desejo, não consigo continuar… mas quero que saiba que mesmo que termine esse ano, mesmo que nunca mais te veja, sempre vou estar com você não importa o que aconteça em minha vida. Nas noites mais escuras, vou lembrar de você.. nos dias mais claros, quando os raios de sol tocarem em meu rosto, vou lembrar de você, quando eu for dormir com o barulho da chuva ecoando em meus ouvidos, eu vou lembrar de você. Mesmo que você um dia esqueça de mim. 

2 anos atrás

A ansiedade para viver uma coisa realmente nova, pode sufocar? Eu faço essa pergunta a mim mesma e a guardo, esperando uma das duas coisas acontecerem. Nunca fui de esperar, sempre quis tudo no momento que me dava vontade, e eu sei que sempre estive errada. Tudo tem sua hora certa para acontecer. Talvez eu tenha feito tudo errado, feito bagunça, não sabendo ao certo o que me esperava lá na frente e quando dei por mim, já tinha feito. Menina tola, tentando encontrar seu verdadeiro caminho. Me certifiquei se tinha mesmo algo atrás da palavra “paciência”, me deparando com um lar de incertezas que até hoje tento decifrar. A espera. Quanto tempo? Se nada dura para sempre, quanto tempo devo esperar? Ou, simplesmente meto os pés pelas mãos novamente, talvez eu encontre o que eu esteja procurando. Uma rua, um beco, uma trilha… quem sabe não encontro uma luz que me guie e me faça enxergar o que eu preciso. Ao fazer qualquer coisa, chego a ser um pouco egoísta, ergo a cabeça e digo: Eu quero começar a me realizar e a ser feliz! Ok, todos queremos ser felizes, mas estou começando a murchar como as flores no inverno, só esperando a primavera chegar, a luz bater para que elas possam florescer. Faz algum sentido? Estou esperando, o dia que vou poder acordar sorrindo, cantarolando, ver o sol bater e adentrar a janela, que vou respirar e dizer: “Valeu a pena esperar.” Não quero ser mal agradecida, não quero o mal de ninguém, não quero ser milionária, não quero… só quero a pessoa que amo ao meu lado, ter uma vida calma e plena com a mesma, onde não tenha brigas, que minha família possa coexistir com harmonia, que não haja mentiras e nem desconfianças, quero um pouco da paz que todos dizem ser tão boa. Quero voltar a ser a menina que eu era antes. Que escrevia sem parar, que tinha planos certos, que sabia pra onde ir, que sabia como agir, sabia lidar com situações, a menina forte. Mas, não a encontro. Enquanto espero, refugio-me em palavras, versos simples e canções que talvez possam me lembrar de como eu amava cantar e dançar..

11 meses atrás

Naquela época tudo era novo pra ela, não sabia o que era o amor, não sabia o que era sentir esse sentimento, e quando menos esperou ele lhe tomou por completo, aquilo era novo, nunca tinha sentido. Não sabia se doía, não sabia se fazia realmente a pessoa ficar alegre, não sabia como aquele sentimento funcionava, mas já havia escutado de pessoas, que aquele sentimento era o melhor de todos. E então, quando menos esperou esse sentimento chegou para si, e logo entendeu que.. o amor, era um sentimento que sim, trazia alegria, mas também era um sentimento que trazia também consigo muita tristeza, era um sentimento digamos que “equilibrado”, e que seus dois lados eram muito fortes. (Bom e o ruim). Quando estava longe da pessoa amada seu coração doía , a saudade também lhe mostrou isso. Mas aquela seria a primeira vez, que além de trazer saudades, aquele sentimento também trazia medo, preocupação, uns sentimentos que ela nunca tinha sentido ao mesmo tempo. Chegou a pensar que ela iria amar aquela primeira pessoa para sempre, que aquele sentimento era infinito, mas estava errada.. ou será que não estava ? Aquele sentimento também a deixava confusa e então com toda essa pressão, tomou uma decisão que até hoje, ela chega a pensar que poderia ter feito diferente..  fugiu desse amor, por puro medo… e tem medo até hoje de sair magoada por causa desse sentimento. Sempre, só vai guardar a alegria que encontrou nele e as lembranças vão estar em sua memória. Também.. a primeira paixão ninguém esquece. 

3 anos atrás 

Atenciosamente

Maria Karine F. S.